domingo, 13 de maio de 2012

Irmãs Starford - O Perfume da Rosa - Haydee Victorette

Sinopse:  “Os segredos não podem ser guardados tão profundamente que nunca possam ser desenterrados... Às vezes, eles voltam para cobrar o seu preço.”

Londres, século XIX.

Duas órfãs, Elizabeth e Samantha, aos cuidados de uma duquesa autoritária.
Arthur, um duque libertino, encarregado de apresentar Elizabeth à sociedade e um assassino cruel à espreita... Mulheres relacionadas ao Duque de Devonshire são cruelmente apunhaladas até a morte e uma rosa é deixada sobre os corpos.
Em meio ao pânico crescente, em um jogo de perseguição ao assassino, nasce um amor tempestuoso e irresistível...



Resenha: Duas jovens condessas são enviadas à propriedade da Duquesa de Beaufort. Depois de perderem seus pais em um grave acidente, elas devem ficar aos cuidados da autoritária Duquesa, que as reprime apenas pela presença. Ruth sempre fora exigente com seus criados, apesar de sempre tratá-los com respeito. Uma mulher de elegância incontestável e costumes tradicionais levados à risca. Elizabeth e Samantha carregam o cobiçado título de Condessas de Langford, contudo, aos olhos de Ruth, são títulos que não têm a importância de uma Duquesa. Ao conhecerem aquela que seria sua nova tutora, as condessas perceberam que não iria ser fácil dali para frente, e que apenas unidas conseguiriam vencer os obstáculos que a vida, agora na tumultuada sociedade londrina, lhes reservava. Arthur, Duque de Devonshire, é sobrinho único da Duquesa, e esta lhe dá a delicada função de apresentar Elizabeth à sociedade. 

Com uma apresentação fora dos costumes, Lady Elizabeth acaba por conhecer Arthur, que não lhe dá o devido valor devido às circunstâncias daquela apresentação não ensaiada, contudo, na formalidade adequada, o Duque se encanta ao conhecer Elizabeth. Agora crescidos, o passado ficara para trás, e Arthur tinha agora uma fama de libertino, mulherengo dentro da sociedade londrina, o que causava à Elizabeth repúdio em ser entregue aos cuidados dele para as apresentações da temporada que se abria a todas as moças nobres que deveriam ser apresentadas à sociedade.

Em meio ao romance que nascia, um assassino rondava as ruas da capital. Suas vítimas eram jovens mulheres, bonitas, da alta sociedade e de alguma forma ligadas ao Duque de Devonshire. Elizabeth agora era vista como a protegida do Duque, fato que lhe transformou em um alvo em potencial. As mortes seguiam o rastro em direção ao Duque, e Elizabeth sentia que o assassino se aproximava, estava à espreita nos bailes sob cada máscara, cada olhar misterioso destinado a ela, e cada barulho que nascia das noites frias de Londres.

O rico mundo da alta sociedade londrina escondia um assassino cruel que apunhalava suas vítimas e deixava rosas brancas sob seus corpos... Talvez uma mensagem deixada ali para alguém, ou um sinal de ameaça existente... A única certeza de Elizabeth, era que não podia confiar em qualquer pessoa, e que um misterioso carniceiro buscava ter sua vida, e logo.

Autora Haydee Victorette
Crítica

Capa: Como eu já dissera quando apresentei o livro logo que chegou para mim, a Capa merece as devidas congratulações... Um trabalho muito bem feito por parte da editora foi este da confecção do livro. A rosa branca sobre uma superfície também branca contrastam perfeitamente com o sangue derramado e o Título em um vermelho vivo e nítido.

História: Devo dizer que a sinopse do livro foi curta para uma história tão cheia de mistérios e ricos personagens, isto é, ao ler a sinopse não esperei muito da história, mas confiei na talentosa autora Haydee Victorette, e iniciei a leitura sem pensar duas vezes. No capítulo 1, já estava tomado pela história. Esta se desenvolve de uma maneira tão fantástica que li 100 (cem) páginas naquelas primeiras horas e me senti vivenciando todo aquele mundo londrino.  Mistérios, segredos, mentiras, fofocas de uma sociedade que vive de aparências e um amor incondicional se desenrolam nesta trama perfeitamente bem desenvolvida.

Personagens: Cada personagem é muito bem construído, arquitetado e colocado na trama de modo a exercerem seus papeis sem deixarem a desejar. Os Duques, Duquesas, Condessas, Criados e até “rameiras” possuem fundamental papel na trama. Apenas um detalhe me desestimulou no início, mas logo foi deixado de lado pela riqueza dos personagens e história. Este detalhe do qual falei são os vocabulários que, acostumado ás obras de Alexandre Dumas – Os Três Mosqueteiros, senti pouco presentes ao longo da trama. Um vocabulário rebuscado e de época tornaria talvez introduzisse um tempero à história, deixando-a com mais sabor.


Reações:

1 comentários:

  1. Huum!!!Me interessei pela estória,parece um livro bem escrito \o/
    Parabéns pela resenha Arthur!
    beijokas...
    http://fomesedeevontadedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir